Blog

< Voltar

Carcinicultura: A Síndrome da Mancha Branca pode afetar o seu Bolso

Entenda o Protocolo de Prevenção que projete a produção de camarões do e possibilita aumento de densidade em mais de 700%


Se você é produtor de camarão com certeza já sabe ou já ouviu falar sobre a Síndrome da Mancha Branca.

 

A Síndrome da Mancha Branca é nada mais, nada menos, que a mais devastadora doença do cultivo de camarões em todo o mundo. Em um ou dois dias ela é capaz de dizimar completamente a sua produção de camarões. Isso mesmo, em um curtíssimo período de tempo ela pode matar todos os camarões da sua fazenda. E não para por aí.

 

Não há uma cura, uma vacina ou um remédio para tratar a Síndrome da Mancha Branca. A melhor solução neste caso é a PREVENÇÃO. E nós vamos te contar o que é preciso fazer para você, produtor, se prevenir e proteger a sua criação.

 

A Origem da Doença

A Síndrome da Mancha Branca foi diagnosticada pela primeira vez no Brasil no final dos anos 90, início dos anos 2000 em Santa Catarina. Mas em pouco menos de 10 anos já estava em todo o território nacional, principalmente nos estados do nordeste, como Rio Grande do Norte e Ceará que são, hoje, os maiores produtores de camarões do país.

 

Causa e Características

A doença é causada pelo vírus whispovirus, também conhecido como WSSV e não ataca somente o camarão mas também outros crustáceos. No entanto, muitos desses crustáceos, como o caranguejo, é imune e acaba não desenvolvendo a doença; os camarões, por outro lado, são os mais afetados.

 

Os animais infectados pelo vírus perdem o apetite, param de se alimentar, passam a se movimentar mais lentamente, ficam aparentemente mais "cansados" e parados; ao mesmo tempo em que começam a surgir manchas brancas por todo o seu corpo. Um outro fator comum é o aumento repentino no número de garças e outras aves que se alimentam do camarão, pois eles ficam mais "fáceis" de serem pescados.

 

Protocolo de Prevenção

Os produtores brasileiros desenvolveram, juntamente com cientistas e com a área acadêmica, um protocolo de cuidados que visam a saudabilidade dos animais e a prevenção e controle da doença na fazenda. E a sanidade da água é fator-chave nesta equação. 

 

Monitoramento intensivo

Fazer coleta de exemplares para exames laboratoriais no mínimo uma vez a cada duas semanas;

 

Limpeza e desinfecção de Viveiros

Limpeza e preparação adequada do solo tanto durante quanto entre os ciclos de cultivo. Utilização de mix microbiológico que decompõem resíduos orgânicos no viveiro, melhorando a sanidade da água através e diminuindo os riscos de contaminação do animal. 

 

Biorremediadores

Enzimas digestoras de matéria orgânica que ajudam a manter o ambiente mais limpo e promovem a formação de bioflocos que melhoram a sanidade da água e preparam o tanque para a produção de alta densidade.

 

Probióticos

Bactérias boas que, misturadas à ração do animal, auxiliam na absorção de nutrientes, digestão e aumento da eficiência do sistema imunológico de toda a população.

 

Com a adoção deste protocolos foi possível observar aumento de densidade de 15 para 130 camarões por metro quadrado - um aumento de 766% - concomitantemente à redução de ciclo de 130 para 90 dias - redução de 30% - totalmente livres da Síndrome da Mancha Branca.



Biotecnologia a Serviço do Produtor

Sediada na cidade de Paulínia em São Paulo, a Kayros é uma empresa de biotecnologia referência no mercado de fabricação de produtos à base de microrganismos para tratamento e sanidade da água com foco em biorremediadores para uso aquícola.

 

Ao disponibilizar atendimento para todas as localidades do país e para alguns países da América Latina, a empresa atende uma vasta gama de clientes, desde indústrias e produtores de peixes, camarões e outros animais.

 

A Kayros Ambiental conta com mais de 18 anos de experiência e possui reconhecimento por oferecer produtos desenvolvidos com qualidade, a partir de estudos comprovados e técnicas específicas que produzem resultados eficientes.

 

< Voltar